Da Série: Administradoras/Empreendedoras/Cheias de Luz!

A história que trago para vocês hoje é a de uma mulher/menina que está há pouco tempo na nossa cidade, mas que já vem mexendo com a vida de muitas pessoas e também de muitas empresas. Eu ainda não a conhecia quando ouvi falar sobre ela. Eu estava procurando alguém para me ajudar em consultoria com o meu site e minhas redes sociais e conversando com uma amiga minha ela me falou sobre a “Lívia” e sobre seu profissionalismo. Resolvi, então, entrar em contato com ela para conhece-la pessoalmente e saber mais sobre o seu trabalho.

No primeiro contato já deu para perceber a luz, o talento e o entusiasmo que acompanham essa menina. Ela tem o brilho nos olhos de quem quer sempre ir além, ajudar pessoas e empresas a descobrirem o melhor dentro de si e a conversa com ela pode durar horas… Em nossa primeira conversa a ideia inicial, de ambas as partes, foi a de trazer a história da sua empresa: A One Coworking (a história já foi contada aqui, link abaixo).

http://luribeiro.com.br/one-coworking-compartilhando-espacos-e-experiencias/

Porém, em muitos lugares que eu ia alguém sempre mencionava sobre a Lívia, sobre o seu potencial com o Marketing Digital e o Marketing pessoal e empresarial, sobre a sua luz, a sua alegria… Pensei: “peraí”, eu preciso contar a história dessa mulher! Falei com ela no outro dia e já começamos a traçar essa parceria… Agora eu deixo com vocês a história dessa empreendedora que escolheu Pato Branco para espalhar sua luz, seu conhecimento e sua alegria contagiante!

“Meu nome é Lívia, tenho 25 anos, nasci em Londrina e sou apaixonada por marketing, colaboração e empreendedorismo.

Falar sobre nós mesmos é um processo de reconexão e descoberta. Colocar em palavras quem somos (pelo menos até aqui) traz um sentimento de nostalgia e orgulho. Reviver experiências também é consolidar aprendizados, pois nessa trajetória (em especial para aqueles que resolvem empreender) temos erros e acertos. Acolher com carinho nossa história nos faz mais fortes e poder compartilhar com outras pessoas nos faz crescer como comunidade.

Eu sempre fui uma criança muito curiosa. Gostava de aprender sobre tudo: todas as matérias me encantavam. Com o apoio dos meus pais, acabei pegando gosto pelos estudos e sempre fui muito disciplinada.

No entanto, essa qualidade acabou se transformando em dúvida às vésperas do vestibular. Aquela criança e adolescente que sempre teve facilidade em todas as matérias, que sempre se envolvia em todos os projetos da escola teve uma grande dificuldade em escolher o que cursar.

No fim, eu escolhi fazer administração. Mas não foi de primeira. Meu pai queria que eu fosse advogada ou engenheira. Falharia totalmente na primeira opção: ser advogada não era pra mim. Mas não poderia decepcionar na segunda. Por isso, naquela época, “escolhi” prestar vestibular para engenharia ambiental, na UTFPR-PR.

Lívia e sua família!

O curso era ótimo, professores excelentes, pessoas incríveis. Mas eu não pertencia àquele mundo. Eu adorava os números, mas não conseguia sobreviver às aulas de biologia – principalmente as aulas de campo. Eu passava mal no laboratório, odiava todas as matérias práticas e não conseguia me imaginar nunca fazendo o que eu precisava fazer. Chorei inúmeras vezes indo para a aula.

Até que veio uma greve.

Nunca imaginei que uma greve seria tão libertadora para mim. Na época eu já havia me envolvido em várias atividades extracurriculares e comecei a trabalhar. A escolha da administração já estava quase que estampada na minha cara.

Não é fácil mudar. Quem é administrador sabe o quanto é difícil dizer que você faz esse curso. Com tantas graduações “mais renomadas” como medicina, direito e engenharia, dizer para os pais, parentes e amigos que você vai trocar uma engenharia para fazer administração é uma tarefa que requer muita autoconfiança. Com certeza, foi um momento de grande crescimento.

Formatura de Administração na UEL.

Quando eu entrei para a minha segunda faculdade prometi a mim mesma experimentar e aproveitar todas as oportunidades que aparecessem. Por isso, durante os 4 anos de ADM eu fiz projeto de pesquisa, fui presidente de entidade estudantil (a AIESEC), fiz estágio, intercâmbio voluntário no Peru e até, abri uma empresa.

Se eu pudesse dar um conselho para alguém que está começando: experimente. Somos o que conhecemos, vivemos e aproveitamos. Nesse meio tempo também conheci o Saulo – meu namorado, amigo, marido e hoje, sócio. Obrigada por sempre topar minhas loucuras!

Intercâmbio no Peru.

Abreviando um pouquinho, penso que nossa história é feita das nossas escolhas, e a gente só escolhe aquilo que a gente acredita. Até hoje não sei se eu escolhi o Coworking ou o Coworking me escolheu, mas quando a gente faz as coisas com o coração, oportunidades incríveis acontecem.

Durante a faculdade eu estagiei em um Coworking em Londrina. Eu já era apaixonada por aquele lugar, aquela vibe e todo o propósito que englobava o coworking – eu mal podia acreditar que estava trabalhando naquele lugar.

Pra quem não conhece, um coworking é um escritório completo que você aluga quando precisa. Salas para reuniões, treinamentos, espaços para trabalho, recepcionista – tudo pronto para você utilizar, pagando por hora ou por mês. É incrível: várias empresas diferentes, trabalhado juntas, compartilhando o espaço, boas ideias e o cafezinho.

Com o marido e sócio, Saulo.

Fui host e financeiro do espaço por quase um ano. Uma experiência riquíssima que só fez me apaixonar ainda mais pelo conceito. Quando sai, fui convidada a trabalhar em uma empresa de design que ficava dentro do coworking. Lá, abri a área de marketing digital – que ainda engatinhava. Ainda nem tínhamos o instagram como mídia do momento.

Com o tempo, minha paixão pelo coworking só aumentou.  Por isso, decidi que faria meu TCC sobre isso – um plano de negócio para a abertura de um. A ideia era que o TCC não fosse apenas um plano: mas sim uma realidade. E o Saulo topou na hora! Durante o ano do TCC visitamos muitas cidades, conhecemos coworkings por todo Brasil. Fiz entrevistas, estudei custos e viabilidades. Depois de muita pesquisa, decidimos abrir em Joinville-SC.

Enquanto eu terminava o TCC, também continuava trabalhando na agência. Eu já atendia várias contas – inclusive de clientes de outros estados, mas a agência onde eu trabalhava resolveu seguir o caminho do design e abandonar a parte de mídias. Eu – que atendia quase todos os clientes de mídias sozinha – pedi para meu chefe se poderia continuar atendendo eles por conta própria. E ele deixou. Foi assim que, na época, surgia a Whitz, minha primeira empresa.

Na entrega do TCC sobre Coworking.

A jornada empreendedora é um processo de autodescoberta e de desenvolvimento. Foram muitos tropeços, muita insegurança e muito aprendizado. Depois que me formei, com a agência aberta, eu resolvi ir morar em São Lourenço do Oeste-SC com o Saulo para continuarmos os planos do coworking. A ideia ficou marinando por um tempo enquanto morávamos lá, até que um dia surgiu uma oportunidade incrível (e mega inesperada) de adquirir um espaço já funcionando. Foi aí que começou a nossa história com o One Coworking.

O frio na barriga bateu. Pegar uma empresa já rodando tem seus pontos positivos e negativos, mas a gente topou o desafio e há 1 ano e meio eu e o Saulo dirigimos o One – o primeiro Coworking de Pato Branco. A gente aprendeu muito até aqui: mudamos planos, planejamos reformas, mudamos de abordagem… quando se empreende é assim mesmo: cada dia é um novo começo. Mesmo com o coworking rodando, eu nunca parei de atender meus clientes de mídias. Continuei com isso por um tempo, mas percebia como as agências tinham suas limitações.

A empresa: One Coworking.

Uma agência não consegue atender o cliente na íntegra. Isso é um fato. É o funcionário, o dono da empresa que tá ali, na linha de frente que sabe quando o espaço está cheio, quais as peças novas que chegaram e quais produtos precisa vender mais naquela semana. E a agência não consegue – fisicamente – acompanhar o dia a dia das empresas.

Com o surgimento do instagram – e a inundação de marcas cada vez mais pessoais – ficou ainda mais difícil gerenciar empresas que precisavam de conteúdos diários – e relevantes. Foi nesse contexto que surgiu a nossa terceira empresa: a Rock at Work.

Sempre tínhamos que ir para muito longe para ter acesso a conteúdos de qualidade, fato nem um pouco sustentável e que dificulta o crescimento da cidade. Na época eu ainda estava com a Whitz, quando recebemos o convite do nosso futuro novo sócio, o Rafael Mingotti, para juntar conhecimentos e resolver um problema nosso e que parecia ser de muitos outros.

Saulo, Lívia e o sócio Rafael.

A Rock, nossa escola de negócios, trabalha hoje com consultorias nas áreas de Marketing, Finanças, Comunicação e Vendas, e cursos (abertos e in company) sobre Lucratividade, Marketing e Vendas, Planejamento e Gestão de tempo.

Falar sobre nós não é fácil, mas olhar para trás e ver que estamos construindo uma história para o mundo é algo muito gratificante.

O que eu penso sobre o futuro? Que precisamos falar mais sobre o empreendedorismo real. Das pessoas que acordam todos os dias para lutar por seus objetivos, e sim, às vezes choram. Contar a nossa história faz com que a gente abrevie todo o sofrimento, esforço e dedicação envolvidos. Não é do dia pra noite. Passei por vários momentos em que o mundo parecia desabar.

Segunda turma do Curso de MKT Digital.

A vida empreendedora é feita de altos e baixos: tem dias que nos sentimos o máximo. Tem dias que queremos fechar as portas. E tá tudo bem. Reconhecer, acolher e aprender com esses momentos faz parte do nosso desenvolvimento como ser humano.

O que eu quero propagar é uma mensagem de transformação. Falar sobre o empreendedorismo não apenas de “abrir uma empresa” mas sobre a atitude empreendedora de assumir os riscos e glórias de tomar as próprias decisões, de fazer seu próprio caminho e se reinventar todos os dias.

One Coworking.

Que as pessoas percebam que juntos a gente pode ir mais longe e que a colaboração gera a abundância. Definitivamente não somos o que temos, mas sim, a mensagem que deixamos. Quero que cada vez mais pessoas entendam que cada escolha conta – e que são elas que fazem a sua história.

Desejo que você faça boas escolhas. Um grande abraço”

As redes sociais da Lívia:

Facebook: https://www.facebook.com/liviamarostiga

Instagram: http://www.instagram.com/liviamarostiga

Instagram: http://www.instagram.com/onecwk

 

2 respostas para “Da Série: Administradoras/Empreendedoras/Cheias de Luz!”

  1. Fico muito feliz de saber como vc está crescendo rápido e de forma tão bonita. Sempre soube de seu potencial e fico orgulhosa de ver eu garra eu versatilidade e principalmente de ver que aquela menininha está maravilhosamente Competente crescida e que o céu é seu limite. Muito orgulho minha linda sobrinha bjs sucesso hoje é sempre porque vc merece tudo de bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.