Renata Batistello: Mãe, Esposa e Empreendedora!

Como é bom poder contar histórias de pessoas que conhecemos há tanto tempo e que, quando paramos para conhecer um pouco da sua vida, percebemos o quanto as pessoas lutam e buscam pelos seus sonhos… A vida, as conquistas, as alegrias não são conquistadas de um dia pro outro, existe sacrifício, dedicação, empenho, fé, suor… Eu conheci a Renata melhor nos tempos que fazíamos academia no Mater Dei e já a admirava pela sua dedicação nas atividades físicas. Naquela época ela já treinava musculação, fazia as aulas do “Body Systems”, pedalava, corria… Logo depois ela se casou, se tornou mãe, empreendedora, seguiu com suas corridas, suas pedaladas num tempo em que isso ainda nem tinha se tornado o hábito de tantas pessoas… Hoje ela busca um novo rumo profissional com o objetivo de ajudar e inspirar outras pessoas…

 

Renata Batistello Pozza nasceu no dia 13 de julho de 82, é filha do Luiz Carlos e Soniamar Batistello e irmã de Luiz André. Casada com Maurício Pozza é mãe do Pedro Emílio e João Alberto.

Renata chegou na cidade de Pato Branco com apenas dois anos, me contou que teve uma infância simples: “minha mãe sempre nos ensinou a viver com pouco e pedir apenas o que era necessário, sou de um tempo e de uma criação onde as crianças sonhavam com 3 presentes, o do aniversário, do dia das crianças e do natal, ainda me recordo de alguns presentes tão esperados, embora hoje seja mais difícil  repetir isso com meus filhos, eu tento praticar esses hábitos para ensiná-los  a sonhar com algo que tanto querem e saber esperar sua hora, pois creio na teoria que se fizermos diferente  e suprirmos todas as suas vontades e desejos estamos matando seus sonhos. Cresci na rua brincando com os vizinhos… tive uma infância maravilhosa com minha mãe sempre por perto cozinhando tudo o que a gente gostava e assim crescemos rodeados de amor, numa época de criança com muitas brincadeiras saudáveis. Na época de faculdade os negócios do meu pai não estavam muito bem e tive que trabalhar para estudar, foi o primeiro choque de realidade que tive na vida…”

Sempre muito ativa nos esportes. Em sua primeira corrida de competição.

A Renata é formada em Administração de Empresas, com especialização em negócios e logística, e recentemente teve sua formação em “Leader Coach”, mas como começou toda a sua trajetória profissional?

“Era 2002, eu só tinha 20 anos quando comecei a vender roupas e viajar a São Paulo, a primeira viagem foi com uma amiga e depois sempre viajei sozinha, carreguei muito fardo pesado de roupa, antes de ter uma profissional que me ajudava com as compras, mas eu até que me divertia bastante, na verdade hoje percebo que sempre consegui me divertir em qualquer circunstância e em qualquer lugar … sempre “me fiz alegre” independente das condições e sempre procurei achar e fazer graça de tudo mesmo que o cenário seja desfavorável… A venda das roupas era uma forma de ganhar uma graninha pra comprar o que eu queria, minha família que era de classe média, passava por dificuldades financeiras naquele momento e minha mãe decidiu que eu teria que me virar…

Uma mulher preocupada com as causas sociais.

Estava no primeiro ano de administração na Fadep, minhas amigas mais próximas e as colegas da faculdade foram minhas primeiras clientes. Elas me esperavam ansiosamente chegar de viagem, até brigavam pelas peças, era muito divertido!!! Toda semana ia pra aula carregada de sacolas e revistas de cosméticos que também vendia. Logo depois iniciei os estágios remunerados na minha área, a venda por muito tempo foi minha renda extra, a bolsa auxílio que eu ganhava nos estágios era baixa e sempre ganhei mais com as vendas do que com os estágios.

Nessa época eu morava longe do centro e por muitas vezes subi chorando pra casa por ter que andar a pé, foi então que uma amiga que vendia motos me ofereceu uma “JOG” uma pequena moto (meu primeiro bem de valor), e o primeiro financiamento da minha vida, aquilo era assustador mas ao mesmo tempo desafiador, a parcela era bem maior que minha renda fixa mensal, sem contar que eu era apenas uma ousada estagiária, levei minha mãe na loja pra ver o que ela achava e ela disse: Sim! Compra, porque você vai conseguir!!!!! Essa moto foi uma das maiores alegrias da minha vida, eu tinha um orgulho danado de mim por ter feito aquilo, acho que eu andava de motinho pela cidade dando risada de tão feliz que fiquei com essa compra…

Renata e sua JOG!

Embora tenha sido jogada na Administração por acaso (queria Odontologia na época, já tinha passado em vários cursos: História, Educação Física (1º lugar na Fadep), Pedagogia, Direito, Fisioterapia… mas, odonto eu não conseguia! Na verdade, hoje acho que nem eu sabia o que queria, tinha muito desejo de ir estudar e morar fora, como boa parte das minhas amigas…. (tinha uma ilusão de vida boa longe de casa) mas, depois de quase 2 anos de cursinho minha mãe disse: ‘chega! Você vai cursar Administração à noite e trabalhar de dia aqui em Pato Branco!’ Confesso que no início foi um tanto frustrante, pois não era o que eu imaginava pra mim naquele momento… Mas, com o passar dos anos fui me apaixonando pela administração e depois de formada até fiz uma especialização na UTFPR e tive ainda mais amor pela minha profissão….

Corrida das Cataratas.

Depois de formada, fui exercê-la mais profundamente, diminuindo um pouco o ritmo das vendas, nessa época eu mesma já me perguntava, porque eu não parava com isso? De certa forma eu não precisava mais, mas tinha uma lista de clientes fiéis que bastava mostrar o produto e pronto, o negócio estava feito, pra mim não era esforço nenhum usar meus intervalos e períodos de folga pra fazer uma vendinha…. Adorava e me realizava em saber que aquilo que eu havia escolhido fazia brilhar os olhos de alguém!!!

Então nasceu meu primeiro filho Pedro que hoje tem 8 anos, o mais novo João tem 5 anos… quis diminuir meu ritmo e não ter horário pra cumprir e optei por ficar somente com as vendas, isso foi em 2011 quando eu resolvi que a Entrelaços (nome da minha empresa na época) teria um endereço fixo: era uma sobre loja onde eu  recebia as minhas clientes, deixava meu estoque… Era de fato uma loja, porém não tinha horário pra estar aberta. Pedro foi criado ali, e como a minha mãe tinha a loja dela ao lado da minha, ficava cômodo e prazeroso tê-lo comigo no trabalho…

Renata com o filhos e o marido Maurício.

A Renata mãe e esposa gosta de cuidar da casa do seu jeito, de cozinhar diariamente para a família, (acho que essa é a maior lembrança da infância, minha mãe na cozinha) gosta de ter seu dedo em tudo, gosta de servir a todos, mesmo que as vezes reclame que não tem sossego… Procuro fazer minhas coisas em horários que todos estejam dormindo ou ocupados, pra não ficar muito ausente, embora eu seja ligada no 220 e se estou em casa tenho que me policiar pois, sempre acho mil coisas pra fazer a todo momento.

Com o passar do tempo minhas clientes começaram a me perguntar o porque de eu não ir para a rua com a minha loja, porque não abria meu negócio com vitrine e fachada? Mas, como eu trabalhava muito com o sistema de condicional, sempre tive medo de ter uma loja na rua onde as pessoas que não eram minhas habituais clientes de “condi” chegassem até a loja e eu não tivesse uma variedade para mostrar! E também tinha medo de não conseguir me dividir entre a casa, meus filhos e meu trabalho… Mas, de repente apareceu uma sala comercial próximo do local que eu sempre estacionava, eu passava ali diariamente e talvez tenha feito muito pensamento positivo, de que se fosse pra eu ter uma loja seria ali!!!!

E então a oportunidade apareceu e eu acreditei que aquele seria o momento…Foi assim que em 2016 meu marido disse: ‘eu vou te ajudar, vamos montar a sua loja!’ E assim se passaram 3 anos da loja Renata Batistello.

Movida a desafios: Primeira prova de Duatlo em novembro/18.

Foram 3 anos de aprendizado com esse novo formato de loja, muitos desafios e provações, mas que me proporcionaram muita experiência e de certa forma favoreceram para hoje eu estar onde estou, uma pessoa mais madura e confiante, acredito que a felicidade, as realizações estão no meio do caminho (na verdade acho que só vencemos todos os desafios quando não estivermos mais aqui) sou muita grata a Deus por todas as provações que me apresentou! Sou grata aos meus pais porque só sou quem sou hoje por tudo o que já vivi… Me reinventei por muitas vezes com ajuda da minha psicóloga e por minha própria percepção e tenho muito orgulho da pessoa que me tornei até aqui.

Cheia de predicados e linda!

Vivo em constante desenvolvimento pessoal e aprendizado, sou privilegiada, tive clientes maravilhosas que nos deram muito prazer em atende-las, tive pessoas incríveis ao meu lado, batalhadoras de verdade, as conquistas e o reconhecimento que tivemos foram frutos de um trabalho de equipe harmonioso! Uma equipe perfeita pra mim é feita de pessoas que lutam com todas as suas forças pelo mesmo objetivo, que se reconhecem pelo olhar, que não medem esforços pra cumprir seus desafios, que trocam ideias, discutem dificuldades e enxergam além, não focam em problemas, mas sim formas e caminhos de ultrapassá-los.

Além da corrida, também ama pedalar.

Minha nova profissão é fruto de uma crise de identidade que tive em 2017 de alguns momentos de dificuldade, onde comecei a me questionar pra onde estava indo, qual o sentido real das coisas? São momentos em que parece que as coisas perdem as cores… você não vê mais graça onde via, são momentos de reflexão, que muitas vezes acho que é um sinal de Deus dizendo que precisamos apertar o pause e apenas observar, nos reconectar com nossa essência pra voltar a ver sentido na vida, voltar a ser feliz!!!

E isso requer muita coragem, muita transformação, autoconhecimento, foi aí que mergulhei nessa onda de autoconhecimento e fui me descobrindo e me reinventando… iniciei alguns cursos de alta performance e desenvolvimento pessoal até que conheci o Coach e foi um grande encontro, como se eu fosse preparada a vida toda pra viver aquele momento! Me encontrei ali! Não que eu não gostasse do que eu fazia, e eu até me questionava Renata: ‘Mas você gosta tanto da sua loja e agora se envolve em outras coisas, mal tem tempo de cuidar dela e agora isso?’

Mas, eu vi no coach como um chamado de Deus, me senti tocada de alguma forma para que primeiramente eu me salvasse e depois pudesse levar cores a vida as pessoas… e isso tem acontecido no meu trabalho, estou só no início, poucas clientes, mas já sinto uma gratidão enorme em conseguir ajuda-las!!! Nesse meio tempo voltei a me dedicar assiduamente à minha fé e exercitá-la semanalmente e isso teve um grande impacto na minha vida, me recordando que sem Deus não somos nada e que não devemos busca-lo apenas quando precisamos, isso deve fazer parte da nossa vida inclusive em momentos de felicidade e não somente no desespero.

Primeira prova de 10km.

 

Eu pensava na possibilidade de vender minha loja, mas nunca imaginei que isso um dia aconteceria de fato, não me imaginava com uma vida da porta pra fora, quando de repente uma moça que conheci num curso de culinária me questionou se eu gostaria de vende-la e nesse momento acabei entendendo mais ainda como um recado de Deus me preparando para um futuro diferente do que eu imaginava, só precisava acreditar nisso e ter coragem de seguir em frente sem olhar para traz..

No início sofri bastante para desapegar de tudo aquilo que construí e idealizei, porque afinal foram 17 anos dedicados a isso e de repente jogar tudo para o alto, com minha equipe montada, conectada, pra simplesmente estacionar e começar do zero… foi difícil!

O que me faz feliz são os dias de sol, um sorriso, um abraço, fazer os outros felizes também! Não sou uma pessoa muito sonhadora, sonho acordada e com os pés no chão, já realizei um dos meus maiores sonho que era ser mãe e um grande sonho que vem na sequência é o de conseguir criar dois seres humanos dignos de estarem nesse mundo, fazendo a diferença seria sem dúvida alguma o meu maior sonho.”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.