VITAMINA D, VOCÊ SABE COMO ESTÁ A SUA?

 

Até 1960 ela era considerada como vitamina e hoje sabemos que ela é um hormônio esteroidal formado a partir do colesterol ou seja, é metabolizada no nosso organismo.

Nossa principal fonte de vitamina D é o sol, ela tem toda sua metabolização a partir de um processo que necessita essencialmente da ação do SOL. Precisamos de 15 a 20 min de sol por dia nos horários de maiores incidência de raios UVB (entre 10h às 14h) para melhor absorção desta vitamina.

A suplementação e a dieta também são fontes de vitamina D e muitas vezes a suplementação se torna necessária pela dificuldade das pessoas estarem expostas ao sol sem proteção solar nos horários indicados e também ao baixo consumo de fontes alimentares desta vitamina, porém a necessidade deve ser confirmada com exames laboratoriais.

As principais fontes alimentares são: atum, sardinha (congelada ou frescas), salmão (porém no Brasil não temos boas fontes de Salmão) e os ovos.

Por ser uma substância lipossolúvel, a vitamina D é absorvida juntamente com as gorduras, ou seja necessita ser suplementada no meio oleoso na forma  sublingual, gotas, capsulas ou até mesmo por injeções. A dose sempre vai depender da indicação para cada pessoa. O ideal é que solicite que seu médico faça a medição pelos exames sanguíneos e busque um bom profissional que saiba a maneira correta de suplementar.

O ideal seria manter os níveis acima dos níveis de normalidade encontrados nas referência dos exames laboratoriais, sabendo que os benefícios da Vitamina D iniciam quando ela se encontra acima de 50nmol/L.

Evite comprar suplemento de vitamina D sem orientação de um profissional médico ou nutricionista em muitos casos, as doses necessárias nas primeiras semanas de tratamento para atingir os níveis normais são  maiores do que as doses sugeridas nas embalagens dos suplementos de vitamina D.

Existem raras situações clínicas onde se deve tomar maiores atenção com a alta absorção da Vitamina D e a toxicidade é raramente encontrada (maior do que 90nmol/L).

DEFICIÊNCIAS DE VITAMINA D

Pesquisas recentes apontam que a deficiência de vitamina D é um problema mundial e o Brasil está inserido nesse cenário. A maioria dos estudos abordou principalmente idosos e mulheres na pós-menopausa que são populações de risco para osteoporose.

A deficiência da vitamina D pode ser silenciosa. Dentre os problemas que estão comprovadamente associados à deficiência de Vitamina D3 estão: depressão, angústia constante, maiores riscos de fraturas, fraqueza muscular, dor crônica, osteoporose precoce, doenças degenerativas e câncer. Na realidade existe uma infinidade de doenças relacionadas a esta situação.

Em crianças: a deficiência de vitamina D leva ao retardo do crescimento, raquitismo e déficit no aprendizado.

Obesos: a falta de vitamina D está relacionada a um fator de risco para obesidade, sendo que pessoas obesas possuem vitamina D mais baixa do que o normal e em situações que ocorram a cirurgia bariátrica é aconselhável que se corrija tal deficiência como medida pré-operatória.

Em gestantes: a deficiência de vitamina D associou-se a baixo peso do recém-nascido, além de alguns desfechos tardios, como baixa massa óssea e marcadores de risco cardiovascular nas crianças quando em idade escolar.

Nos idosos: a deficiência de vitamina D tem sido relacionada à diminuição da força e da massa muscular, com prejuízo do equilíbrio e aumento da incidência de quedas. E é considerada um dos principais determinantes da osteoporose senil

OS BENEFÍCIOS QUE ESTUDOS RECENTES MOSTRAM AO ESTAR EM DIA COM A VITAMINA D:

– Auxilia na produção de serotonina e saciedade, sendo assim importante nos processos de emagrecimento;

– Reduz o número de quedas em idosos;

– Contribui na formação do hormônio renina que ajuda no controle da pressão arterial;

– Auxilia que o cálcio vindo da alimentação chegue até os ossos, atuando na manutenção do tecido ósseo;

– Possui importante efeito protetor contra o câncer;

– Influencia consideravelmente no sistema imunológico: pessoas com gripes frequentes, rinites sem tratamento pode ser um sintoma da falta desta vitamina;

– É amplamente recomendada em doenças autoimunes, tanto na prevenção como no tratamento médico;

– Auxilia nos processos de ganho e força muscular;

– Possui efeito protetor em doenças cardiovasculares

Entre outros inúmeros benefícios que vem sendo estudados.

E não se esqueça de aproveitar o sol, ele é sem custo, basta encontrar tempo no seu dia a dia. É importante ter em mente que a Vitamina D é essencial em todas as fases da vida, e muitas vezes não se percebe os sintomas de sua deficiência .

ALICE F. SARTOR PHOLMAN

ALICE F. SARTOR PHOLMAN Nutricionista Clínica CRN3-2669 Especialista em Nutrição Clínica – UFPR Especialista em Nutrição Humana- IBPEX Especializanda em Nutrição Enteral e Parental- PUC-PR
Endereço:
Clínica da Circulação e Nutrição
Ed Max Saúde salas 1202 e 1203
Av Brasil 450 centro
46 3220-2888
46 99914-3000

2 respostas para “VITAMINA D, VOCÊ SABE COMO ESTÁ A SUA?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.