Da Série: Guerreiras/Cheias de Luz/Solidárias

Hoje eu tenho a felicidade de trazer um pouco da história dessa mulher que conheço há muitos anos porque sua mãe foi minha professora de Português nos tempos de escola e ela sempre falava com muito orgulho dos seus filhos, por isso eu já sabia da existência da Anne. Quando há vi pela primeira vez fiquei encantada pela aquela mulher com um sorriso largo, com um rosto lindo emoldurado por cabelos castanhos escuros finalizando com olhos verdes… Parece poesia? Sim, porque a Anne é assim: doce, suave, e ao mesmo tempo forte com uma rocha! Porque ela muito jovem passou por um momento muito difícil e triste e mesmo assim não perdeu o encanto pela vida e o amor em ajudar o próximo. Hoje ela está à frente da Assistência Social do Município e tem muito o que nos ensinar como ser humano e como mulher. Espero que gostem de conhecer melhor essa mulher assim como eu gostei!

“Eu não sonhei com sucesso. Eu trabalhei para ele.” Estée Lauder

A história de Pato Branco, está cheia de mulheres incríveis que marcaram sua época, cheias de garra e que fizeram a diferença para o desenvolvimento de nossa cidade e digo com humildade, que sempre muito observadora, me espelhei  em algumas delas, mas especialmente em minha mãe Marilene. Minha mãe lutou muito pelo bairro São João, e devido a esse espirito de luta, ousadia e humildade eu senti que era esse caminho que também deveria seguir. E ela por várias vezes me disse, que tínhamos muito ainda a fazer e um vasto campo a conquistar para ajudar as pessoas carentes.

Luciane, hoje com 46 anos de idade me sinto honrada em poder contar um pouco de minha história de vida.

Anne Cristine Gomes da Silva Cavali! Esse foi o nome escolhido pelos meus pais, Edem e Marilene Gomes da Silva, e eu apenas nasci em Curitiba e é por isso que me considero uma filha de Pato Branco.

 

Desde muito jovem eu era defensora dos mais carentes, eu tinha um jeitinho especial que cativava os mais vulneráveis, em especial os idosos e crianças. Se encontrasse alguém na rua, levava para casa, dava banho, roupas, comida e geralmente os colocava para assistir televisão, pois na época poucos tinham acesso. Eu precisava ser controlada pelos meus pais que muitas vezes se preocupavam com este meu jeito de ser, mas posso afirmar que todos deixaram em meu coração a melhor parte que um ser humano pode ter: o amor ao próximo.

Estudei na  Escola Dona Frida, no Colégio Estadual Professor Agostinho Pereira , Colégio Nossa Senhora das Graças (hoje Colégio Vicentino) e no Premen. Com 14 anos fui estudar em Curitiba, mas sentindo a dificuldade financeira de meus pais em manter eu e a minha irmã que estava já estava na  faculdade, resolvi voltar para Pato Branco, dizendo  a eles que eu não estava me adaptando para poupá-los .

Me dediquei ao esporte  por muitos anos, o que me permitiu conhecer muitos lugares, mas chegou o momento que além do voleibol e dos estudos eu queria trabalhar. O ano foi 1990! Eu estava em busca de uma oportunidade, queria buscar emprego por conta própria, sem ninguém pedir por mim. Comecei a trabalhar no Premen  que foi onde aprendi a trabalhar, a ter respeito, responsabilidade e  ser  ainda mais persistente.

Neste período conheci um grande homem:  Andre Luiz Cavali junto com ele ganhei mais uma família que passei a amar também e aos 20 anos me casei com ele. Passei no concurso do município para a área de saúde, iniciei faculdade e a nova fase de minha vida começaria.

Sempre fui de trabalhar muito e a Fundação de Saúde (hoje Secretaria de Saúde) me realizava! Era prazeroso estar ajudando as pessoas e ao mesmo tempo cuidando da minha nova família. Porém, nem tudo poderia ser tão perfeito… não conseguia engravidar… mas,  a esperança existia e queríamos muito ser pais.

 

Eu tinha 24 anos quando meu marido morreu de forma repentina, em um acidente de carro. Foi um choque, estávamos juntos há nove anos e, claro, tínhamos planejado envelhecer juntos. O que eu senti, na época, não dá para descrever: um misto de muita dor, raiva e impotência. Não tínhamos filhos e eu acho que só sobrevivi por causa da família, do trabalho e dos meus amigos. Foram segundos, minutos, dias, meses e anos de tristeza e sofrimento.  Entendi que minha vida não seria mais a mesma, eu não seria mais a mesma. Mas, era preciso continuar e dar mais um passo adiante, não havia outra coisa a fazer.

Eu me levantava pensando nele e tocava a vida adiante. Fui aprendendo a conviver com a dor e a saudade, o trabalho foi meu refúgio, virando um vício para mim, o que me ajudou bastante. Quando acontece a perda, parece que nunca mais vamos encontrar a luz no fim do túnel. Mas a vida tem que continuar. E continua.”

Busquei cursos de formação, concluindo Secretariado Executivo Bilíngue, Gestão Pública e Serviço Social, 1 especialização e 2 pós-graduações.

Vou citar a dificuldade da minha primeira formação… na época centenas de pessoas, em diversos ônibus, se deslocavam até Palmas para estudar, era o que tínhamos e eu estava entre essas pessoas. Saía do trabalho às 17h30 e ia correndo para casa onde tinha que optar:  comia  ou  tomava banho pois pegávamos o ônibus às 18h. O retorno era cansativo e chegávamos em casa por volta das 00:30. O dinheiro era pouco, então raramente jantava na faculdade. Dia após dia, com Deus sempre ao meu lado me fortalecendo.

Nessa época eu começava a trabalhar às 7h da manhã com atendimento ao público, mas era a minha missão e era o que eu  amava fazer, tudo alinhado com a minha essência como ser humano e como mulher.

Mas eu era incompleta, sem ter ao meu lado a pessoa que havia escolhido para ser meu marido, até que um dia olhei para o céu e percebi que há muito tempo não fazia aquilo e resolvi que teria que superar a dor.

Sempre digo que, depois de 4 anos, a felicidade bateu novamente a minha porta e Deus  me deu de presente uma pessoa extraordinária que trouxe minha vida de volta. Nos apaixonamos e me casei  com o Salatiel Torres do Nascimento, me tornando  mãe de Anna Luiza (12 anos) e Salatiel Jr (16 anos)  e sendo recebida também por seus filhos do primeiro casamento: Daniel, Carolina e Rodrigo.

Com o marido Salatiel.

Os anos se passaram, continuei trabalhando,  fui coordenadora do SADT, Coordenadora da Auditoria, Diretora Administrativa, Coordenadora do CAPS e Diretora de Planejamento da Secretaria Municipal de Saúde.

Depois de ter as crianças achei importante ter meu próprio negócio, pedi exoneração do meu concurso no município e nesse momento minha estabilidade não falou mais alto. O empreendedorismo é uma opção viável para se manter na ativa, fazer o que gosta, estar mais perto da família (não trabalhando menos, mas com flexibilidade).

Com os filhos ainda pequenos!

Após alguns cursos ofertados pelo SEBRAE, decidi criar uma loja diferente e que não tínhamos no município, a SOFISTICATTA  puxadores e decoração, acabei me apaixonando pelo negócio, pois poderia estar também em contato com pessoas. Comecei com uma boutique, muito pequena, mas apaixonante! Aprendi a vender, a localizar fornecedores e o negócio deu certo! Os produtos começaram a aumentar e construímos um novo espaço mais amplo e agradável para os clientes. A loja completou já completou 9 anos!

O filho Salatiel Jr.
A filha Anna Luiza.

Acho que antes de tudo tive que  ter coragem, pois abri mão de várias coisas que me foram impostas como certas… não perdendo o foco, a força, a fé e a disciplina

Acreditando no meu próprio negócio e, além disso, me dedicando muito a ele, mantendo as finanças organizadas, tendo sempre  muito respeito e harmonia com meus colaboradores , decidi no ano de 2014 montar meu segundo negócio a Kitanda do Aroma.  Quando percebi já estava montada e me assustei um pouco, mas continuei trabalhando,  pois o  segredo do sucesso é fazer aquilo que  assusta, sair da sua zona de conforto e enfrentar os desafios que a vida coloca em nossa frente para obtermos sucesso.

Integrante do Rotary Club de Pato Branco por 8 anos, respeito o lema: “Dar de Si antes de Pensar em Si” que reflete o principal objetivo do Rotary na comunidade, no local de trabalho e no mundo, ocupando vários cargos no clube hoje tenho a felicidade de ter sido convidada para ser governadora assistente da área 14 do distrito 4640 gestão 2018/2019 e convidada a permanecer no ano rotário 2019/2010.  Sou também membro instituidora da Fundação Sudoestina de Combate ao Câncer, e estive com meu marido na presidência ajudando nas melhorias do atendimento.

Sendo homenageada no Rotary.

No ano de 2015, tive um nova oportunidade para atuar e contribuir diretamente nas políticas sociais do município de Pato Branco. Reforço minha satisfação por ter sido convidada  pelo  Prefeito Municipal para ser Secretária de Assistência Social, aceitei o convite e me sinto honrada em poder contribuir com esta gestão ética, transparente e competente, priorizando os mais vulneráveis.  No começo foi difícil conhecer a política social, tive que estudar e conquistar a equipe e pessoas  e isso só é possível se apresentarmos um bom planejamento, bons projetos e não termos preguiça de trabalhar.

Uma parte da família.

Baseado na minha experiência e hoje com duas lojas; sendo governadora assistente do Rotary apoiando diversos projetos; membro da Fundação Sudoestina de Combate ao Câncer e  à frente da Secretaria de Assistência Social, percebo que nós mulheres,  estamos mais preparadas e sempre vamos à luta pelo que sonhamos. Aceitamos os desafios como forma de crescimento e oportunidade.”

E para fechar essa história com chave de ouro, um elemento surpresa que tanto amo! Sem a Anne saber a irmã dela deixou esse lindo depoimento:

“Fácil definir você… Mulher guerreira, amiga, mãe e esposa exemplar, extremamente comprometida em tudo o que se destina a fazer, profissional inigualável, que com grande dedicação exerce o seu trabalho com ética e profissionalismo, buscando sempre a excelência.

Luta, dia após dia, em busca de seus objetivos, sem medir esforços, para tentar fazer do mundo um lugar melhor.

Difícil e é encontrar palavras que definam o que você representa para mim … significa muito mais do que se pode imaginar!

Hoje uno as minhas melhores lembranças da nossa vida e também os momentos de profunda dor quando do falecimento dos nossos pais para expressar meu amor e gratidão por você.

Você foi capaz, mesmo diante da sua dor, segurar forte nas minhas mãos, e acalentar o meu coração…. Você foi capaz, de mensurar o quanto eu estava sofrendo…. Você foi capaz, de fazer eu levantar a minha cabeça, e seguir o meu caminho em busca de dias melhores. Você foi capaz, de me fazer não desistir de ser feliz e lutar incansavelmente pela minha vida!!!

Você é parte de mim minha irmã e me faz sentir que nunca estarei sozinha! O que nos une é um amor infindável, uma ligação para toda a vida,  e eu sempre estarei de forma incondicional  ao seu lado, de braços abertos para você!

Com carinho e amor profundo, tudo que existir de melhor no mundo eu te desejo!

Lélia Gomes Schmitz”

8 respostas para “Da Série: Guerreiras/Cheias de Luz/Solidárias”

  1. Conheço esta mulher vencedora desde 2004. Fomos colegas de saúde pública, hoje colegas por formação e companheiras rotariana.
    Competência, tenacidade e fortaleza são palavras escritas e praticadas na vida desta jovem mulher. Doação e amor ao próximo é sua essencia diaria.

  2. Parabéns Anne pela linda história de vida, lutas e conquistas. Tive o prazer de conhecê-la e, em tão pouco tempo ver a pessoa maravilhosa que tu és. Saiba Anne que você juntamente com mais companheiros dó ROTARY Pato Branco , nos transmitiu mais confiança em nós mesmo e nos deu uma “injeção de ânimo” para continuarmos com a formação de um ROTARY em Vitorino ou um ROTARY Satélite de Pato Branco . Parabéns Lu Ribeiro por nos apresentar a história desta grande guerreira .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.