Categorias:

O Inverno em Minha Vida!

Dia 21 de Junho inicia o inverno no Hemisfério Sul, chamado de inverno austral devido à sua localização geográfica. Uma estação muito amada ou odiada, e eu sempre fui questionada por gostar dessa época fria e tão sofrida por muitos. Difícil de entender alguém que gosta de sentir o frio, que se sente melhor fisicamente com temperaturas mais baixas, mas eu sou assim. Além disso, o inverno é a estação que mais traz memórias afetivas significativas da minha vida.

Quando éramos crianças costumávamos ir para o interior da cidade, nos sítios de tios, ou onde minha avó morava. E lá eu me divertia com a paisagem da geada, a vida em volta do fogão a lenha, as comidas: pinhão e polenta na chapa, os famosos brodos, as comidas de mãe de avós feitas por muitas horas naquele fogão. As noites com a casa fechada e a família reunida. Isso sempre me trouxe uma sensação de paz e de segurança.

A época de “catar” pinhão no meio do mato, buscar laranjas e bergamotas crioulas no meio dos potreiros… tudo isso fez com que eu sempre me sentisse melhor e feliz. Para marcar essa época que aproxima as pessoas eu trouxe um poema lindo de Fernando Pessoa ilustrado com imagens da nossa região no inverno feitas pelos fotógrafo Vilson Bonetti.

“Quando está frio no tempo do frio, para mim é como se estivesse agradável,
Porque para o meu ser adequado à existência das cousas
O natural é o agradável só por ser natural.

Foto: Vilson Bonetti.

Aceito as dificuldades da vida porque são o destino,
Como aceito o frio excessivo no alto do Inverno —
Calmamente, sem me queixar, como quem meramente aceita,
E encontra uma alegria no fato de aceitar —
No fato sublimemente científico e difícil de aceitar o natural inevitável.

Foto: Vilson Bonetti.

Que são para mim as doenças que tenho e o mal que me acontece
Senão o Inverno da minha pessoa e da minha vida?
O Inverno irregular, cujas leis de aparecimento desconheço,
Mas que existe para mim em virtude da mesma fatalidade sublime,
Da mesma inevitável exterioridade a mim,
Que o calor da terra no alto do Verão
E o frio da terra no cimo do Inverno.

Foto Vilson Bonetti.

Aceito por personalidade.
Nasci sujeito como os outros a erros e a defeitos,
Mas nunca ao erro de querer compreender demais,
Nunca ao erro de querer compreender só corri a inteligência,
Nunca ao defeito de exigir do Mundo
Que fosse qualquer cousa que não fosse o Mundo.”

Alberto Caeiro, in “Poemas Inconjuntos”
Heterónimo de Fernando Pessoa

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.